Paloma Coelho

domingo, 14 de novembro de 2010

A separação como um ato de amor...

 Boa noite amadas, eu ainda estou com uma dorzinho de cotovelos, mais estou bem, não sei se comentei com vocês que sou super fã de Martha Medeiros e amo esse texto que condiz com o que eu penso sobre a separação incluse sobre a minha, e gostaria de compartilhar com vocês. beijos.....

P.S- FOI DIFICIL PACAS POSTAR COMO DISSE ESTOU SEM NET, E TENHO QUE "ROUBAR A NET DO VIZINHO", ELE TEM REDE SEM FIO , AI FICA MEIO DISTANTE E CAI PACAS, 
É sabida que a dor advém de qualquer separação, ainda mais da separação de duas pessoas que se amaram muito e que acreditaram um dia na eternidade deste sentimento. A dor-de-cotovelo corrói milhares de corações de segunda a domingo — principalmente aos domingos, quando quase nada nos distrai de nós mesmos — e a maioria das lágrimas que escorrem é de saudade e de vontade de rebobinar os dias, viver de novo as alegrias perdidas.

Acostumada com esta visão dramática da ruptura, foi com surpresa e encantamento que li uma descrição de separação que veio ao encontro do que penso sobre o assunto, e que é uma avaliação mais confortante, ao menos para aqueles que não se contentam em reprisar comportamentos padrões. Está no livro “Nas tuas mãos”, da portuguesa Inês Pedrosa.

“Provavelmente só se separam os que levam a infecção do outro até aos limites da autenticidade, os que têm coragem de se olhar nos olhos e descobrir que o amor de ontem merece mais do que o conforto dos hábitos e o conformismo da complementaridade.”

Ela continua:

“A separação pode ser o ato de absoluta e radical união, a ligação para a eternidade de dois seres que um dia se amaram demasiado para poderem amar-se de outra maneira, pequena e mansa, quase vegetal.”

Calou fundo em mim esta declaração, porque sempre considerei que a separação de duas pessoas precisa acontecer antes do esfacelamento do amor, antes de se iniciarem as brigas, antes da falta de respeito assumir o comando. É tão difícil a decisão de separar que vamos protelando, protelando, e nesta passagem de tempo se perdem as recordações mais belas e intensas. A mágoa vai ganhando espaço, uma mágoa que nem é pelo outro, mas por si mesmo, a mágoa de se reconhecer covarde. E então as discussões se intensificam e quando a separação vem, não há mais onde se segurar, o casal não tem mais vontade de se ver, de conversar, quer distância absoluta, e aí se configura o desastre: a sensação de que nada valeu. Esquece-se o que houve de bom entre os dois.

Se o que foi bom ainda está fresquinho na memória afetiva, é mais fácil transformar o casamento numa outra relação de amor, numa relação de afastamento parcial, não total. Se os dois percebem que estão caminhando para o fim, mas ainda não chegaram no momento crítico — o de se tornarem insuportavelmente amargos — talvez seja uma boa alternativa terminar antes de um confronto agressivo. Ganha-se tempo para reestruturar a vida e ainda se preserva a amizade e o carinho daquele que foi tão importante. Foi, não. Ainda é.

“Só nós dois sabemos que não se trata de sucesso ou fracasso. Só nós dois sabemos que o que se sente não se trata — e é em nome deste intratável que um dia nos fez estremecer que agora nos separamos. Para lá da dilaceração dos dias, dos livros, discos e filmes que nos coloriram a vida, encontramo-nos agora juntos na violência do sofrimento, na ausência um do outro como já não nos lembrávamos de ter estado em presença. É uma forma de amor inviável, que, por isso mesmo, não tem fim.”

É um livro lindo que fala sobre o amor eterno em suas mais variadas formas. Um alento para aqueles — poucos — que respeitam muito mais os sentimentos do que as convenções.

(Martha Medeiros)

10 comentários:

  1. Poxa amiga, muito lindo, Tem selinho pra você la no mei blog..
    bjinhos
    Bom domingo

    ResponderExcluir
  2. NOSSA AMIGA, COMO É COMPLICADO.
    ESTOU PASSANDO POR UMA SITUAÇÃO PARECIDA COM A SUA. NÃO SEI MAIS SE O MEU NAMORO DARÁ CERTO! ESTÁ NAS MÃOS DE DEUS!
    ESPERO QUE FIQUE TUDO BEM PRA VCS AMIGA.
    BJS E UM ÓTIMO FERIADO.

    ResponderExcluir
  3. Oi querida,adorei te ver no meu cantinho,obrigada pelo apoio e tenha uma boa semana!!!!!

    ResponderExcluir
  4. mto feliz de ter mais uma acompanhante na luta!
    agente consegue,eu sei!
    força pra vc nesse momento delicado!
    c vai conseguir passar por isso e ser mais feliz!
    bjuuss

    ResponderExcluir
  5. Nossa, q texto lindo!!! Terminar um relacionamento é sempre doloroso, né? Mas, às vezes é necessário.
    Obrigada pela visita e tenha uma semana super light!!!

    ResponderExcluir
  6. Texto muito lindo e profundo... propões uma reflexão sobre nós mesmos e nossas posições acerca do relacionamento em que nos encontramos.
    espero que você consiga se recuperar desse luto e saia dele revigorada para tocar sua vida para a frente.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  7. Oi Amiga...
    separação é muito triste e complicado...
    li seu post anterior, sei o que é isso, pois já me casei e me divorciei 2 vezes com 25 anos...
    mais amiga, nada como o tempo pra curar o que deixou aberto né...
    tenha uma ótima semana flor...
    bjs da Nega

    ResponderExcluir
  8. Oi,
    Bom dia!
    Visitando os bloguinhos das amigas, encontrei o seu cantinho, adorei ver sua vitória... Parabéns!
    Irei te seguir, depois vai lá no meu blog me fazer uma visita.
    Beijo no Coração!

    ResponderExcluir
  9. . não tenho retribuído visitas neste mês, já expliquei no blog, mas vc me perguntou se conseguirá emagrecer como eu consegui e eu te respondo: É CLAROOOOOO QUE VAI! para obter êxito vc deve desejar isso mais do que deseja saborear todos os pratos e guloseimas que colocam diante de nós, prefere entrar "naquele jeans" ou comer aquele doce maravilhoso? o que te satisfaz mais? é assim que vc saberá se irá conseguir ou não.
    . bj. fique com DEUS.

    ResponderExcluir
  10. Menina, que texto lindo, viu... fiquei refletindo sobre ele, sobre o patamar em que colocamos nossos relacionamentos... esquecemos por vezes que somos humanos e como tal, nosso amor também o é. E sobre a finitude das coisas que tantas vezes nos parecem eternas...

    Beijo menina!

    ResponderExcluir